BEM VINDOS AO VIVER BIODANZA

Destacado

Este blog nasceu do desejo e necessidade de expressar meu amor e gratidão pela Biodanza. Aqui vou postar informações a respeito deste incrível sistema que mudou a minha vida e a de tantas pessoas pelo mundo todo. Além disso, vocês terão acesso aos endereços de grupos regulares em Minas Gerais e pelo Brasil a fora, cursos e maratonas promovidos pelos facilitadores de Biodanza Sistema Rolando Toro a que eu tiver acesso.

Quero que se sintam à vontade para postar perguntas, dúvidas, impressões e depoimentos a respeito da Biodanza e ficarei imensamente feliz com a participação de todos.

Celebrar a vida é um compromisso diário.

CELEBREMOS!

CURSO DE APROFUNDAMENTO “O PROCESSO DE BIODANZA E AS NEUROCIENCIAS” DITADO PELA PROFESSORA ANNALISA RISOLI

Destinado a Professores de Biodanza e alunos de escolas em fase final de formação.

LOCAL: Casa de Recanto São José
Rua Julio de Castilho, 561, Bairro Marajó, Belo Horizonte – Brasil

Observações importantes:
A parte teórica será seguida da vivencia correspondente.
Haverá tradução para o português e espanhol.
Trazer um pen-drive para receber o material
Seria conveniente que os participantes que virão de outras cidades chegassem na 5ª feira, 09 de agosto pela tarde.
Como é de conhecimento, as novas descobertas na área de neurociências permitiram ampliar a leitura de comportamento humano com novos pontos de vista, em particular está crescendo o interesse sobre as emoções, e suas implicações com a memória, a aprendizagem e os sentimentos. Mediante a importância do tema, cerca de três anos antes de seu falecimento o Professor Rolando Toro incluiu o módulo de Neurociências no Programa Único de Formação de Biodanza.
A Doutora e Professora Didata de Biodanza Annalisa Risoli junto com a orientação e supervisão do Professor Rolando Toro estruturou o Curso de Aprofundamento “O Processo de Biodanza e as Neurociências”, com o objetivo de explicar, a través dos novos descobrimentos das neurociências, os processos fundamentais ativados pela Biodanza e oferecer aos Professores os conhecimentos necessários para poder seguir a evolução desta área científica. Ademais fornecer aos professores didatas as informações necessárias para ditar o módulo de Neurociências do Programa Único de Formação em Biodanza nas escolas de formação.
Este curso já foi oferecido em Europa em varias oportunidades, atualizando e preparando os professores de Biodanza nesta área, portanto algumas escolas de Biodanza em Europa já incorporaram o módulo de Neurociências em suas novas turmas.

PROGRAMA
1° Módulo – 10, 11, 12 agosto 2012
Início: Sexta-feira 10 de agosto às 09:00 AM
Término: Domingo 11 de agosto às 18:00 horas
• Aprofundamento de Neurofisiologia
• A consciência, as emoções e os sentimentos
• A memória e a aprendizagem
• O processo de Biodanza e as Neurociências

2° Módulo – 1, 2, 3 fevereiro 2013
• A fisiologia dos “neurônios espelhos”
• Os neurônios espelhos e as emoções
• A aprendizagem e os “neurônios espelhos”
• O processo de Biodanza e os “neurônios espelhos”
• O movimento
• A música
• As transformações
• Síntese final

• VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que chegarão na 5ª feira, 09 de agosto a partir das 16:00 horas (curso mais hospedagem e alimentação completa).
Modalidade
Valor
2 Parcelas Até 30 de Julho R$ 430,00
Dia do curso R$ 430,00
Pagamento no dia do curso
10 de agosto R$ 880,00
• VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que chegarão na 6ª feira, 10 de agosto às 09:00 horas (curso mais hospedagem e alimentação completa).
Modalidade
Valor
2 Parcelas Até 30 de Julho R$ 410,00
Dia do curso R$ 410,00

Pagamento no dia do curso
10 de agosto R$ 840,00
• VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que não hospedarão na casa de Recanto São José (curso mais três almoço e seis mini lanches).
Modalidade
Valor
2 Parcelas Até 30 de Julho R$ 365,00
Dia do curso R$ 365,00

Pagamento no dia do curso
10 e agosto R$ 750,00

• Dados para depósito: Caixa Econômica Federa
Agencia: 0620
Operação: 013
Conta Número: 48642-9
Nome: Claudete Sant’ Anna

• VALOR PARA OS ESTRANGEIROS (curso mais hospedagem e alimentação completa a partir de 5ª feira às 16:00 horas):
US $ 450 (quatrocentos e cinquenta dólares).
Obs: Devido à dificuldade de enviar dinheiro do estrangeiro para o Brasil, recomendamos que os estrangeiros efetuem o pagamento no momento de sua chegada ao curso.

INSCRICÕES:
Claudete Sant’ Anna – csbiodanza@gmail.com
Celular: ++55-31-9973.1083

LINHAS DE VIVÊNCIA – Por Sanclair Lemos (Facilitador / Didata de Biodanza)

RESUMO
O presente artigo nos mostra como a Biodanza é um caminho vivencial para o desenvolvimento humano. Desde que o ser humano nasce tem todo o potencial genético único qual sua expressão diferenciada se permitida através do desenvolvimento das linhas de vivência.

A linha de vitalidade relacionada com o ímpeto vital, que têm como base o instinto de sobrevivência. E permite nos colocarmos no mundo como seres humanos responsáveis por nosso momento e por nossas ações.
A linha da sexualidade se reflete na capacidade de sentir desejo e expressar o prazer através dos sentidos, a sensualidade e erotismo que envolvem a chave do contato e a carícia.
Na linha de criatividade surge a nossa capacidade inata de exploração de procurarmos estar no movimento de vida criando-nos a nós mesmos, auto-poyeses.
Na linha da afetividade é a força ou energia que nos conecta e vincula com todos os seres humanos. A emoção básica dessa rede de vínculos é o autor.
A linha da transcendência que é capacidade sentir-se parte de um todo maior, uma unidade psicossomática que tem a capacidade de incluir em si unidades maiores e dentro dessa diversidade, permanecem como uma unidade.
Outro ponto são os ecofatores – estímulos externos que podem induzir ou inibir e desorganizam a expressão do potencial. Estas linhas de vivência se movimentam em uma pulsão polarizada de expansão e recolhimento que o ser se expresse. A expressão e integração das linhas, no movimento integrado de expansão e recolhimento, permitem ter acesso ao êxtase, a vivência de sentir a vida por inteiro desdobrando-se no inefável eterno momento presente.

PALAVRAS-CHAVE
Linhas de vivência; vitalidade, se-xualidade, criatividade, afetividade e transcendência; ecofatores, pulsação da identidade êxtases de vida.

PALAVRAS INICIAIS
Somos os herdeiros da história evolutiva da humanidade e do desenvolvimento da nossa espécie (desenvolvimentos físico, motor, psicológico e social) além dos padrões filogenéticos de comportamento. No ato da fecundação recebemos, como um presente, todo o potencial de desenvolvimento da humanidade. Como uma dádiva, surgimos na existência a partir mesmo de todo o potencial e todas as conquistas da humanidade.

Esse potencial, impresso em nossas células, em nossos genes, começa a se expressar na realidade (vivida) a partir do nascimento (e talvez antes). Cada um traz em si uma nuance, uma combinação única e particular desse potencial humano, cada ser humano é expressão diferenciada e única dessa totalidade a qual podemos chamar de potencial humano ou humanidade.

Essa humanidade se expressa então, na realidade particular de cada um através do que R. Toro chamou de linhas de vivência.

A primeira linha de vivência é a VITALIDADE e está relacionada com o ímpeto vital; desenvolve-se a partir da organização biológica e do instinto de sobrevivência. O desenvolvimento dessa linha de vivência relaciona-se diretamente com as primeiras experiências da criança no que diz respeito à sua expressão através das experiências de movimento. O movimento é a expressão básica da vida e surge inicialmente em função da necessidade de sobrevivência do organismo, brota do instinto de sobrevivência, que leva o organismo a mover-se no sentido de permanecer vivo. A criança, se deixada à vontade em um ambiente nutritivo e estimulante, buscará a satisfação e a expressão de si mesma através do movimento.

A Vitalidade relaciona-se à alimentação e ao desenvolvimento da seletividade alimentar. Os organismos saudáveis alimentam-se daquilo que nutre e cura, alimentos ricos em sabor e nutrição, e ingerem a quantidade necessária e suficiente de alimentos saudáveis e nutritivos.

Quando integrado a partir do movimento vital e da alimentação, organismo pouco ou nada necessitará tomar de remédios. A alimentação adequada e a alternância entre trabalho e repouso são as expressões básicas de vitalidade do organismo humano, ou seja, da pessoa. Com a vitalidade equilibrada, o ser humano como quando tem fome, bebe (água) quando tem sede, dorme quando tem sono e busca a satisfação dessas necessidades naturais de maneira instintiva, natural. A cultura, no entanto, promove regularmente alterações nesse movimento equilibrado. À criança, por exemplo, é ensinada que deve comer o que não gosta, em horas determinadas e não quando sente fome. Aos poucos, ela já não sabe mais o que quer, vai perdendo a organização e a capacidade seletiva, sente dificuldade em realizar uma escolha ou em tomar uma decisão. Lembremo-nos que essa criança pode ser cada um e todos nós. Vitalidade é a capacidade de colocar-se no mundo como ser humano autônomo, responsável por seu movimento e por suas ações.

A segunda linha de vivência que se desenvolve do potencial humano é a SEXUALIDADE, que se refere à capacidade de sentir desejo, de expressar o prazer (dos sentidos), a sensualidade e o erotismo. Essa linha de vivência evolui a partir do contato e das carícias que a criança recebe desde o nascimento.

Estímulos prazerosos aos sentidos (sensuais) são também fatores significativos para o desenvolvimento da linha de vivência da sexualidade – comer uma fruta, tomar chuva, mergulhar nas águas do mar, andar descalço, rolar na terra, caminhar em meio a flores…

Essas sensações prazerosas, o contato corporal sensual com a mãe durante o ato de mamar ou durante o banho, permitem que a criança se perceba como um organismo inteiro, completo, capaz de experimentar sensações que significam a percepção de si e do mundo como fonte de prazer (e organização).

Muitas mães e pais sentem medo e desconforto frente à sensualidade e ao erotismo dos filhos. Afastando-se e negando e vivência prazerosa e sensual, esses pais e mães negam à criança o acesso (a vivência) à percepção e compreensão de si mesmo como um ser corpóreo, sensual, e erótico. A criança vai, então, descobrindo a sexualidade nas ruas de maneira inadequada, ou na escola de maneira mecânica e racional.

A carícia tem a capacidade de regular o sistema neurovegetativo e de organizar o funcionamento dos órgãos. A carícia e o afeto são reguladores do sistema vivente, seja na aprendizagem escolar ou do movimento, além de promoverem a integração das demais linhas de vivência.

A energia da vida se expressa também, nos diz Rolando Toro, como uma busca pelo novo, como CRIATIVIDADE, que é a linha de vivência que surge da capacidade inata de exploração que tem á criança. O ato de explorar está intimamente ligado ao ato de movimentar-se, mover-se na realidade vivida. A criatividade conecta-se assim, de maneira indissociável com a vitalidade.
Criatividade é o ato de criar a si próprio, enquanto ser que vive e existe no mundo, a cada momento mover-se no novo, modificando-se no fluxo do mundo que se modifica constantemente. Como um rio, o movimento da vida (cotidiana mesmo) renova-se eternamente. Nosso existir se dá nesse fluxo de transformação, de auto-criação e auto organização.

As formas que percebemos, inclusive a nossa própria forma corporal, não são estáticas, mas o estado atual de um fluxo de energia e movimento. Nós somos em expressão e movimento; a criatividade é, também, nossa natureza. Então, na medida em que nos identificamos com certa idéia, certa forma de ser, diminuímos a possibilidade de ser fluídos na renovada expressão daquilo que se é. A criatividade pode expressar-se de muitas maneiras – a poesia, o trabalho científico, a música, o canto, a dança…

É certo que nem todas as pessoas cantam, tocam um instrumento ou pintam. Estariam essas fadadas a não criatividade? A essência da criatividade é criar-se a si mesmo, auto-poyese de H. Maturana e F. Varela. A expressão desse “ser-criativo-por-natureza” vai depender, em larga escala, do meio e do ambiente em que cada um vive. Se o meio físico e o ambiente afetivo – emocional permitem, a criança poderá “aprender” a ser criativa através de estímulos para a exploração e para a expressão, seja pela voz, pela palavra, pelo desenho, pela escrita, por um instrumento musical, ou pelo próprio movimento corporal.

A criatividade se desenvolve, naquele que é capaz de sentir e expressar o que sente, pois no ato de expressar-se a pessoa se modifica modificando e criando.
O instinto de exploração – de busca de novos estímulos, novas sensações e vivências – nos leva a sentir e, de alguma maneira possível, expressar a maravilha que sentimos frente ao universo. Se somos capazes de sentir-expressar (sentir evoca movimento, que já é em si, expressão) de maneira presente, já estamos nos modificando, nos movendo e criando com o mundo.

O potencial pleno da vida, inscrito no potencial genético do ser humano, se expressa também como AFETIVIDADE que é a força ou energia que nos conecta e vincula com todos os seres. A essa emoção de conexão e vinculação com os outros membros da espécie ou com a totalidade da vida chamamos amor. O amor nasce em situações de harmonia, segurança, confiança e respeito. Considerar o outro como um ser íntegro, respeitá-lo pelo que é mesmo em sua singularidade e em sua diferença. É verdade que conviver com alguma diferença é difícil, o desconforto com a singularidade do outro revela nossa limitação e nosso preconceito. Aprendemos que o “diferente” significa “errado” e conseqüentemente “mau”. Do “mau” nos defendemos, pois a diferença que não compreendemos nos causa medo. Para mantermos nossa “segurança” agredimos, então, a fonte do desconforto, o diferente, aquele que nos revela nossa limitação e a quem tememos, simplesmente por não ser como nós próprios (em aparência, idéias, maneiras, raça, etc).

Se não somos capazes de conviver, ou nos vincular em meio às diferenças, então não somos capazes de amar. O amor pelo que é igual a nós próprios é o amor por nós próprios. O amor como sentimento indiferenciado de vinculação fortalece nossa própria singularidade de seres diferenciados e únicos dentro da unidade do todo e do semelhante.

Aqueles que trabalham com crianças devem se atentar para o fato de que o fundamental para a criação de uma relação pedagógica, uma verdadeira relação de ensino-aprendizagem, é o amor. O afeto, a relação afetiva (respeito e contato) é a aprendizagem a todos os envolvidos na relação. Quem sabe, a única maneira de se ensinar algo (para crianças ou adultos) seja estabelecer uma relação de segurança, de confiança e de amizade com o aluno em um ambiente estimulante, lúdico e criativo.

A partir da sensação básica de confiança, pode se desenvolver a amizade e o afeto verdadeiro, mediador das relações de ensino e aprendizagem a que chamamos relação pedagógica. Surge aí também, dessa sensação básica de segurança (afetiva) e confiança, várias sensações e emoções relacionadas à percepção do outro como um ser pleno, e à nutrição e estímulo desse outro. A essas sensações damos o nome de amor – a possibilidade de conexão nutritiva entre indivíduos. Mas além de existir entre indivíduos da mesma espécie, o amor é a força que vincula todos os “portadores de vida”. Todos os seres vivos merecem a mesma consideração, respeito e amor. Pode parecer difícil considerar os seres vivos sem a lente deformante da ideologia ou da hierarquia, mas como nos ensina Rolando Toro: “e necessário uma cons – consciência ampla e amorosa para perceber que somos primos das rãs”. H. Maturana – neurofisiólogo – estudioso da estrutura e funcionamento dos organismos vivos, diz que a consciência de uma ameba é da mesma qualidade da consciência de um homem. Obviamente, se expressa a partir da estrutura e da organização de uma ameba. Sua proposta é: a vida se expressa e percebe a realidade em que vive e existe, de acordo com a estrutura e organização dos organismos que expressam essa vida. São várias as maneiras de perceber e expressar a vida – a ameba, o gato, o cavalo, a árvore, o homem.

Os organismos são diferentes em estrutura e organização, mas essencialmente a vida que os anima é uma só.

Finalmente, Rolando Toro propõe que do potencial humano que brota do organismo biológico surge a capacidade de sentir TRANSCENDÊNCIA, que é a capacidade de sentir-se parte de um todo maior, parte de unidades que se expandem e se organizam em sistemas cada vez mais amplos. Sentir-se como uma unidade indivisível, não uma mente que anima o corpo, mas uma unidade psicossomática que tem a capacidade de incluir em si unidades maiores e, dentro dessa diversidade, permanecer como uma unidade.

“Desiderata” é um poema encontrado em uma antiga catedral em Baltimore – USA. Um de seus versos diz que somos “filhos das estrelas e temos o direito de estar aqui”. Sabemos que os átomos que formam as estrelas, as galáxias ou as folhas das relvas são os mesmos átomos que compõem o nosso organismo. Quando o organismo se decompõe ou se transforma, esses mesmos átomos irão se reorganizar de outra maneira e assim pela eternidade verdadeiramente somos filhos da terra, filhos do universo, filhos das estrelas.

Essa é a vivência de transcendência. É necessário ampliar a percepção, a compreensão das coisas e nossa penetração vivencial para percebemos que a vida é mais ampla, complexa e maravilhosa do que estarmos acostumados e talvez preparados para perceber e sentir.

CONVERSA SILENCIOSA – por Helio Arakaki

Quando eu tinha os meus cinco anos de idade, sofri um acidente. Numa peraltice junto com meus primos, fui atropelado. Tive uma fratura na perna que me deixou quase dois meses de gesso.

Naqueles dias, lembro-me que ficava lendo revistas em quadrinhos, sentado numa poltrona, enquanto minha mãe trabalhava.

A rotina era quebrada quando recebia a visita de amigos de meus pais. Como era costume japonês, eles levavam balas, biscoitos e até dinheiro. Guardava-os todos numa latinha de Toddy. E eu pedia para comprarem as revistas, os gibis.

Um dia, uma vizinha, ao me visitar, me presenteou com um pequeno quadro negro. Daquele dia em diante passei a desenhar. Era capaz de passar o dia todo em silêncio, criando personagens e desenhando estórias em quadrinho.

Talvez este período tenha determinado uma característica minha que, de certa forma, me trouxe uma certa dificuldade, pois tornei-me uma pessoa retraída, tímida. Ao invés de fazer muitos amigos, tive um convívio restrito de pessoas. E assim, aprendi a conviver mais ainda com o silêncio.

Ao longo dos anos, no exercício do ensino do Karate e da Biodanza, fui ampliando a minha capacidade de expressão e também os meus relacionamentos. Mas ainda hoje adoro ficar em silêncio.

E foi através do Karate que aprendi a conviver melhor com o silêncio. Tive um Mestre, Sr Juichi Sagara, uma pessoa refinada, educada a moda dos nobres japoneses. Sua característica era de ser uma pessoa silenciosa. Quando vinha à minha cidade, saíamos de carro, e ficávamos naturalmente em silêncio. Falava-se o necessário, não mais que o necessário. Com ele aprendi que estar com uma pessoa, necessariamente, não há de se ter a necessidade de ficar o tempo todo conversando.

O silêncio é mais revelador que as palavras, ele nos vincula profundamente, tal qual dois amantes que, silenciosamente, olhando um nos olhos do outro, ou de uma mãe que embala em seu colo o bebê que a olha, se compreendem e se fundem.

Através do silêncio é que realmente compreendemos o outro e nos harmonizamos. Principalmente, diante dos conflitos. É a tal historia: se um não quer, o outro não briga.

Infelizmente, o silêncio do outro que nos acompanha é interpretado como distanciamento, indiferença. O que não é verdade.

Deveríamos aprender a valorizar o silêncio, pois assim, quando o assunto se esgotasse, não passaríamos momentos de ansiedade, desejosos de nos despedir das pessoas que encontramos.

Compreenderíamos que não é por causa da distância e da falta de comunicação que uma amizade deixou de existir. Que os amigos não deixariam de ser amigos por causa do silêncio.

Conversar e silenciar, silenciar e conversar, deveria ser algo aceito como natural nos encontros. Pois aí ficaríamos mais tempo, de verdade, na presença das pessoas.

AULA EXPERIMENTAL DE BIODANZA – A DANÇA DA VIDA

TEMA: “SINTO, LOGO EXISTO”

Data/Hor: 24 de Maio de 2012 – Das 19h as 21h
Local: Espaço Bem Viver -Rua Acre,233 – Bairro João Pinheiro – Poços de Caldas / MG
Contatos: (35)3712-8112 / 9198-3855
Investimento: 1 Kg de alimento

VAGAS LIMITADAS
GARANTA A SUA E VENHA SENTIR A PULSAÇÃO DA VIDA DENTRO DE VOCÊ.

              Com a prática da Biodanza, transformamos progressivamente nossas sombras em Luz.

Curso de Aprofundamento “O Processo de Biodanza e as Neurociências”

Como é de conhecimento, as novas descobertas na área de neurociências permitiram ampliar a leitura de comportamento humano com novos pontos de vista, em particular está crescendo o interesse sobre as emoções, e suas implicações com a memória, a aprendizagem e os sentimentos. Mediante a importância do tema, cerca de três anos antes de seu falecimento o Professor Rolando Toro incluiu o módulo de Neurociências no Programa Único de Formação de Biodanza.

A Doutora e Professora Didata de Biodanza Annalisa Risoli junto com a orientação e supervisão do Professor Rolando Toro estruturou o Curso de Aprofundamento “O Processo de Biodanza e as Neurociências”, com o objetivo de explicar, através dos novos descobrimentos das neurociências, os processos fundamentais ativados pela Biodanza e oferecer aos Professores os conhecimentos necessários para poder seguir a evolução desta área científica. Ademais fornecer aos professores didatas as informações necessárias para ditar o módulo de Neurociências do Programa Único de Formação em Biodanza nas escolas de formação.

Este curso já foi oferecido em Europa em varias oportunidades, atualizando e preparando os professores de Biodanza nesta área, portanto algumas escolas de Biodanza na Europa já incorporaram o módulo de Neurociências em suas novas turmas.

Temas a desenvolver durante os dois módulos do curso:

– O cérebro e as emoções

– Os neurônios espelhos e o movimento

– A memória e a mudança

Conforme explicado anteriormente este curso se realiza em dois módulos:

1° Módulo 10,11 e 12 de agosto 2012

2° Módulo 1, 2 e 3 de fevereiro 2013

Está destinado a Professores de Biodanza e alunos de escolas em fase final de formação.

Haverá tradução para o português e espanhol.

DITADO PELA PROFESSORA ANNALISA RISOLI

1° Módulo 10,11 e 12 de agosto 2012

Início, 6ª feira 10 de agosto às 09:00 AM

Término, domingo 11 de agosto às 18:00 horas

Seria conveniente que os participantes que virão de outras cidades chegassem na 5ª feira, 09 de agosto pela tarde.

LOCAL: Casa de Recanto São José

Rua Julio de Castilho, 561, Bairro Marajó, Belo Horizonte – Brasil

VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que chegarão na 5ª feira, 09 de agosto a partir das 16:00 horas (curso mais hospedagem e alimentação completa).

Modalidade

Valor

Parcela única

Até 30 de Maio R$ 780,00

3 Parcelas

30 Maio R$ 280,00

30 Junho R$ 280,00

30 Julho R$ 280,00

Pagamento no dia do curso

10 de agosto R$ 880,00

VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que chegarão na 6ª feira, 10 de agosto às 09:00 horas (curso mais hospedagem e alimentação completa).

Modalidade

Valor

Parcela única

Até 30 de Maio R$ 740,00

3 Parcelas

30 Maio R$ 280,00

30 Junho R$ 260,00

30 Julho R$ 260,00

Pagamento no dia do curso

10 de agosto R$ 840,00

VALORES E FORMAS DE PAGAMENTO para os participantes que não hospedarão na casa de Recanto São José (curso mais três almoço e seis mini lanches).

Modalidade

Valor

Parcela única

Até 30 de Maio R$ 650,00

3 Parcelas

30 Maio R$ 250,00

30 Junho R$ 230,00

30 Julho R$ 230,00

Pagamento no dia do curso

10 de agosto R$ 750,00

Dados para depósito: Caixa Econômica Federal

Agencia: 0620

Operação: 013

Conta Número: 48642-9

Nome: Claudete Sant’ Anna

VALOR PARA OS ESTRANGEIROS (curso mais hospedagem e alimentação completa a partir de 5ª feira às 16:00 horas):

US $ 450 (quatrocentos e cinquenta dólares).

Devido à dificuldade de enviar dinheiro do estrangeiro para o Brasil, recomendamos que os estrangeiros efetuem o pagamento no momento de sua chegada ao curso.

INSCRICAO: Claudete Sant’ Anna – csbiodanza@gmail.com

Celular: ++55-31-9973.1083

AULA EXPERIMENTAL DE BIODANZA

Professora: Claudete Sant’Anna

4ª feira, 29 de fevereiro – 19:30 às 21:30 horas

Rua Guajajaras, 977 – Sala 1306 (Esquina com Curitiba) – Centro

Valor: R$ 30,00

Biodanza é um sistema para crescimento pessoal composta de exercícios e música, organizada segundo um Modelo Teórico. Seu objetivo é elevar a saúde, melhorar a comunicação afetiva e estimular a criatividade, não somente artística como também existencial.

Biodanza foi criado pelo Professor, Psicólogo e Antropólogo Rolando Toro Araneda. Trata-se não só de técnica, mas de uma nova visão do ser humano, que se baseia na consciência ética, no gosto de viver e no amor.

INFORMACOES E INSCRICOES:
Celular: 9973.1083 – Fixo: 3482.7922
csbiodanza@gmail.com